Você pode imaginar o shopping depois da covid-19?

Os shopping centers começam a se preparar para o retorno à atividade …

shopping center

Você pode imaginar o shopping depois da covid-19?

Os shopping centers começam a se preparar para o retorno à atividade, uma vez que o risco de contágio por coronavírus diminui. Nesse contexto, o consultor imobiliário Knight Frank elaborou um protocolo para adaptar esses espaços à nova situação, garantindo que a nova jornada dos clientes seja realizada com todas as medidas de segurança e higiene necessárias e ofereça todo o conforto necessário aos clientes. , trabalhadores e varejistas.

“Ainda é muito cedo para saber quais mudanças serão permanentes e quais serão temporárias, e isso dependerá das decisões das administrações, mas, em qualquer caso, o objetivo fundamental será transmitir a maior confiança ao consumidor e a todos os elos envolvidos (fornecedores, varejistas, trabalhadores). ”, Comenta a gerente de varejo de propriedade da Knight Frank, María Martínez.

Esse protocolo é baseado em três blocos principais: medidas sanitárias e de segurança, que restauram a confiança e melhoram o retorno aos shopping centers como espaços seguros; digitalização; e responsabilidade social corporativa.

Knight Frank recomenda otimizar o gerenciamento de filas, definindo acessos de entrada exclusivos, separados dos acessos de saída, para evitar cruzamentos entre clientes.

Na primeira seção, a proposta imobiliária lembra que o distanciamento social é uma das principais medidas que essa nova realidade implica e, para isso, os shopping centers precisam reorganizar seus espaços.

Nesse sentido, María Martínez recomenda otimizar o gerenciamento de filas, estabelecendo entradas exclusivas de entrada separadas das entradas para evitar o cruzamento entre clientes; implementar espaços preferenciais para idosos, famílias, pessoas com deficiência, pessoal de saúde, etc; intensificar a sinalização; e o uso e a promoção de espaços ao ar livre são apenas alguns dos aspectos que devem ser levados em consideração.

Outras medidas contempladas neste protocolo consistem em controlar a medição através de aplicativos, sites, elementos digitais, etc. comunicar os dados e transmitir confiança ao cliente, além de intensificar a sinalização e as informações, para tornar mais visíveis as medidas físicas implementadas ao consumidor, o que lhes proporciona conforto e incentiva seu retorno.

Da mesma forma, recomenda também a incorporação de sistemas de saneamento e limpeza, com géis de solução hidroalcoólica usando dispensadores sem contato, desinfetantes para pés, máscaras cirúrgicas, luvas descartáveis, sistemas de ozonização, etc.

A consultoria está comprometida em controlar a medição através de aplicativos, sites, elementos digitais, etc. para comunicar os dados e transmitir confiança ao cliente

Nesse sentido, a diretiva também aposta no reforço da renovação e purificação do ar. “Nosso centro sempre foi gente e, agora, mais do que nunca, nosso objetivo será garantir ótimas condições de saúde em espaços fechados, melhorando a qualidade de vida de todos os visitantes”, comenta María Martínez.

Além disso, o consultor também aconselha o gerenciamento das áreas de praça de alimentação, para garantir a separação entre as mesas e as medidas específicas que esse setor deve implementar, lembrando que todos os serviços públicos – como fontes, áreas de serviço, bilheterias – devem ser limitados. e slogans etc. – que implicam contato.

Além disso, evita-se o uso de espaços fechados, como elevadores, o uso de escadas rolantes e rampas, onde a limpeza será extrema ou serão utilizados sistemas de limpeza automática. Também propõe um acesso escalonado para trabalhadores e transportadoras, garantindo o cumprimento de todas as medidas de segurança e higiene.

O protocolo elaborado por Knight Frank também se refere à adoção de uma série de medidas destinadas a reforçar a digitalização. “Teremos que promover a comunicação on-line, tanto com as operadoras quanto com os clientes, e mostrar ainda mais proximidade”, diz María Martínez, que lembra que o confinamento aproximou as compras telemáticas dos públicos que não usavam esse canal até agora.

Nessa linha, o conselho defende o desenvolvimento do negócio on-line, ajudando pequenas e médias empresas a promovê-lo.

Da mesma forma, a consultoria está comprometida em promover transações sem contato para evitar o contato físico e minimizar ao máximo os riscos, bem como a comunicação em tempo real em suportes e mídia digital dos centros de capacidade, horas, horários fora de pico, etc. .

Por fim, o documento menciona a mudança de mentalidade que os shopping centers devem enfrentar em relação à responsabilidade social corporativa. “Muitos grupos serão especialmente afetados por essa crise”, reconhece María Martínez, que afirma que esses espaços devem promover sua estratégia de RSE para se tornarem agentes de mudança.

Artigos relacionados